10 dos festivais de música eletrônica mais legais do mundo

É muito difícil não poder se separar em clones e ver tudo o que queremos ver. A onda dos festivais nunca esteve tão grande, e são inúmeros eventões interessantes acontecendo Brasil afora. Decidimos mostrar pra vocês 10 dos festivais mais irados por aí. A classe alta já pode ir preparando as passagens. Vamos lá:

Snowbombing - Áustria

Anualmente desde 2005, os austríacos juntam o desejado ao agradável: esporte e música eletrônica. O desafio do Snowbombing parece ser sobre quem derrete primeiro com um line up desse nível: você ou a neve.

O evento dura seis dias e tem palcos tanto no resort na cidade de Mayrhofen como nas montanhas e até mini-raves dentro de iglus. Tem spas e piscinas pros morgados e a montoeira de neve pros aventureiros.

KaZantip - Rússia

kazantip-festival

O KaZantip é a definição de “até o talo”: 150 mil pessoas curtindo música eletrônica por nada menos que um mês. É quase o período de festividades de carnaval do Rio só que na Crimeia e com sintetizadores. E mais, é conhecido como “o festival das orgias”.

O KaZantip é uma nação fictícia com leis próprias, com direito a visto pra cruzamento de fronteira e calendário próprio onde o réveillon é no fim de Julho. Tem praias, tem zoeira e tem artistas de 30 vertentes diferentes, do nível Maceo Plex pra cima.

Rampage - Bélgica

fc2ae73d3782d4e667c3d0ff5de211a7

Energia, insanidade, headbangers, mosh pits, muito bass, lazers e isso tudo em um ambiente indoor, você está preparado para conhecer o Rampage?

Sendo considerada a maior festa de Dubstep e Drum & Bass do mundo, o Rampage ocorre, anualmente, na Bélgica, na cidade de Antuérpia e reúne cerca de 15 mil, fãs enlouquecidos que aproveitam, durante uma noite inteira, os melhores artistas da bass music como Eptic, 12th Planet e Funtcase.

Burning Man - EUA

burning-man Foto: Jim Urquhart/Reuters

Óbvio que não dá pra ficar sem falar do maior festival de contracultura do mundo. Apesar de não ter somente música eletrônica, o Burning Man entra na lista porque tem o poder transformador que esperamos quando vamos a um lugar no meio do deserto por 8 dias pra viver como sempre quisemos: com arte, música, cultura, diversidade, amizade e sem a força do dinheiro e das preocupações diárias da vida. Vai pra lista de festivais pra conhecer antes de morrer.

Universo Paralello - Brasil

universo-paralello Foto: Universo Paralello/Facebook

Nosso país está bem representado pelo mundialmente conhecido Universo Paralello nos quesitos diversidade e psicodelia. O calor de matar é triplicamente compensado pela jornada espiritual que você percorre por 10 dias, pelo mágico réveillon, pelo line up e pelas lindas paisagens que só o Nordeste brasileiro consegue oferecer. Pra quem perdeu a edição de agora, o Terra em Transe é uma opção igualmente interessante pro ano que vem — o UP acontece a cada 2 anos.

Wobbleland - EUA

10733778_775746109177543_8756081501566270931_o-min

O Wobbleland ocorre na Califórnia e já foi indicado a melhor evento de Dubstep nas premiações do US e UK Dubstep Music Awards. Esse é um festival que reúne, em sua maioria, Djs de Dubstep e seu crescimento, ao longo dos anos, é notório, visto que em 2015 teve sua primeira edição que durou dois dias e apresentou nomes como Kill The Noise, Must Die! e G-Jones.

Melt! - Alemanha



O Melt! é um paraíso pra galera mais alternativa, é tipo um Lollapalooza alemão. Tem Flume, Tove Lo, Gorgon City, Santigold, Jamie XX, La Roux, Rødhåd, Odesza, entre vários outros ao longo de três dias.

O que mais chama nossa atenção nesse festival é o cenário com um jeito meio Tribaltech Reborn de ser; o Melt! joga um pouco de neon em uma área industrial abandonada e então temos um evento que você curte em meio a velhos vagões de trem ou construções inacabadas.

Alfa Future People Festival - Rússia

alfa-future-main-min

Esse é um festival mainstream russo com um dos main stages mais irados e tecnológicos ever. No line tem os maiores nomes do house, trance e dubstep. Na edição de 2017 já temos confirmados nomes como Don Diablo, Hardwell, Boris Brejcha, Borgore e Netsky.

O AFP é um festival do futuro, cheio de inovações. Eles tem áreas interativas no festival em que você interage com tecnologias de última geração, como impressoras 3D e inteligência artificial, tudo isso embalado de maneira educativa e até fashion.

Holy Ship! - EUA



Com um line up que caminha tranquilamente entre o mainstream e o underground, o Holy Ship! acontece dentro de um navio que vai de Miami às Bahamas, e para na praia. Os ingressos esgotam rápido, quem foi em outras edições tem preferência e você pode até ser expulso pra sempre do festival se cometer algum vacilo.

O mais interessante é a interatividade na programação entre o público e os DJs. Pra dar alguns exemplos, você pode ter aulas de Kung Fu com o Laidback Luke, fazer yoga com Gina Turner, aprender a discotecar com A-Trak e fazer uma olimpíada de natação com Henry Fong.

Escape: Psycho Circus - EUA

escape-circus Foto: Insomniac

O festival Escape elevou o termo “fritar” a um novo nível fazendo um festival com monstros e outras coisas freak em vez das comuns fadas simpáticas que vemos em outros festivais temáticos.

É tipo quando você ia pra Hora do Horror no Hopi Hari quando era adolescente e ficava animado com a mini-rave do velho oeste, exceto que na Psycho Circus o line up é monstro também.


Foto capa: Insomniac

Pedro Moreno (๏㉨๏)

Carioca, estudante de Direito, DJ e amante de boa música eletrônica. Eu sempre soube que queria algo a mais do que ser, apenas, um mero ouvinte e, por conta disso, adentrei nos estudos de mixagem e mergulhei de cabeça no mundo da EDM.

Publicidade

Participe da conversa