Batemos um papo rápido com Showtek em Amsterdã

Wouter e Sjoerd Janssen, os meninos do Showtek, são verdadeiros camaleões. Começaram no techno em 2001, migraram pro hardstyle e agora estão trabalhando em outros gêneros EDM incluindo o progressive/electro house. Em 2007, lançaram seu primeiro álbum, o Today Is Tomorrow e o segundo veio em 2009, o Analogue Players in a Digital World, além da compilação Essentials e os dois álbuns mix Skinkalation, ambos em 2015.

Com toda essa fama, conseguiram colaborações com os gigantes Tiësto, David Guetta e agora, mais recentemente, lançaram Believer com Major Lazer. Após um show bombástico no AMF recheado de tracks originais e hardstyle, os irmãos nos concederam uma entrevista, apesar da agenda apertadíssima. Depois de se perderem pela arena, chegaram e aproveitaram um pouco da paz da área de entrevista para comer um sushi. Foram muito receptivos e estavam energizados pelo público. Com os pés no chão fazem muita música boa enquanto se divertem. Confira o bate-papo rápido que tiveram com a Stereo Minds.

img0-min Gente como a gente.

STEREO MINDS - O que vocês acham da votação do TOP 100 da DJ Mag?

WOUTER - Tenho muitas opiniões sobre muitas coisas. Às vezes, comento sobre elas ou não. Mas nós nunca tivemos a intenção de ser os melhores DJs do mundo. Nosso objetivo na vida é nos divertir enquanto espalhamos músicas pelo mundo.

Nos últimos 3 anos, temos tido sucesso. As pessoas amam nossa música e nós nunca nos promovemos para votarem na gente, então nós nunca participamos dessa votação. Com o nosso time focamos em coisas boas, ficamos nos top 200 artistas mais tocados no Spotify, por exemplo, e damos muito valor a serviços de streaming.

STEREO MINDS - O que vocês têm a dizer sobre o hardstyle na vida atual do duo?

SJOERD - Quando tinha aquele tanto de gêneros musicais, os fãs hardstyle eram muito devotos. Atualmente esses gêneros estão se mesclando e nossos shows estão diferentes. Nós nos reinventamos sem perder nossa essência, pois ainda há o aquele toque Showtek em todas as tracks que fazemos. Novos fãs e aqueles que cresceram conosco entendem isso. Todo artista que quer sobreviver precisa se reinventar e se atualizar para não ficar preso ao passado.

WOUTER - O hardstyle foi uma parte da nossa carreira feito aquele amigo que você via sempre e quando você o encontra agora, ainda sente as boas vibes, você o ama por ser quem ele é e o que fez na sua vida, mas também você seguiu em frente.

img1-min Showtek em apresentação no AMF, tocando Booyah (participação especial de violinista).

STEREO MINDS - Dá para esperar mais uma track hardstyle?

WOUTER - Talvez. Se nós sentirmos vontade. Música é tipo como você se sente, se você se sente triste, você faz algo triste e se você se sente MUITO feliz então você faz algo hardstyle.

STEREO MINDS - Ser irmãos é vantagem ou desvantagem?

WOUTER - Vantagem. Nós nos deixamos livre. Nós nunca brigamos, mas às vezes discutimos. Claro que nos xingamos de vez em quando.

SJOERD - Vantagem. Temos uma ligação de confiança, nós nos divertimos e conversamos. Nós compartilhamos uma paixão pelo mesmo amor. Nós temos também amigos similares, vivemos com nossa família. Temos uma vida ótima, não podemos reclamar.

STEREO MINDS - O que vocês acham do Brasil? Dos fãs e da cena eletrônica?

SHOWTEK - Nós amamos os fãs brasileiros. Algumas músicas possuem a vibe brasileira. O ritmo e a melodia de Sun Goes Down lembram o Rio de Janeiro e essa era nossa intenção.

Parece doido, mas a música brasileira traz um sentimento de felicidade e vontade de dançar. Nós damos apoio a todos os países que possuem seus próprios heróis. Nós ficamos muito felizes que DJs locais tocam nossa música, fazem algo maior, nos introduzam para o público e isso nos dá a oportunidade de visitar o país. Nós somos gratos. E esperamos que 2017 traga uma tour brasileira. Ver as cidades e as pessoas, comer a comida brasileira. É incrível que possamos trabalhar e experimentar da cultura dos países, e a do Brasil é maravilhosa.

img2-min

RECADINHO ESPECIAL: Nós amamos vocês do Brasil, obrigado pelo apoio! Nós sabemos que nossa música é popular por aí e mal podemos esperar para voltar!

Raiane Reis ᕕ༼⌐■-■༽ᕗ

Autora // Estudante de Química, paulista caipira de 22 anos. Fala poRta e bolacha. Queria que o Orkut voltasse. Na barriga da mãe já DALE. Puxou o pai no vício da música eletrônica. Rainha é Beyoncé, rei é Justin Timberlake, lenda é Armin van Buuren. Ouve de tudo mas o coração é do trance e psytrance. Not afraid of 138 BPM e forever in a state of trance. Quer conhecer o mundo (24 ✓) e seus festivais de música.

Publicidade

Participe da conversa